Edmundo Pedro (1918-2018)

Morreu Edmundo Pedro antifascista e tarrafalista. O Movimento ‘Não Apaguem a Memória’ (NAM) apresenta as mais sentidas condolências à família.

Edmundo Pedro foi um dos fundadores do NAM e ativista do nosso Movimento desde 2005.

Edmundo Pedro foi um dos cidadãos que mais sofreram a repressão fascista. Filho de Gabriel Pedro, também um histórico da resistência antifascista em Portugal. Preso, foi enviado para o Tarrafal onde sofreu dez anos de prisão.

Edmundo Pedro manteve-se sempre ativo no campo da cidadania, incentivando e colaborando em iniciativas em prol da memória da Resistência e da repressão fascista, no tempo do Estado Novo.

Das suas ações em prol do Memória da Ditadura e pela homenagem aos que sofreram as perseguições e prisões do regime salazarista destacamos a sua participação na Manifestação de 5/Out/2005, junto da antiga sede da PIDE; no colóquio sobre o Campo de Concentração do Tarrafal, em 29 de Out de 2009, na Assembleia da República, com a participação do seu presidente, Jaime Gama e o ministro da Justiça Alberto Costa.

Fez parte de todas as iniciativas que conduziram à criação do Museu do Aljube. Esteve presente na inauguração do Museu do Aljube apesar da sua avançada idade. Como o recordamos nesse dia!

Participou ainda   no simpósio Internacional sobre o Tarrafal, de 28/4 a 1/5 de 2009, no Tarrafal, no local do antigo campo de concentração, que teve o patrocínio do presidente da República de Cabo Verde e a participação de Mário Soares e do próprio Edmundo.

Saudades Edmundo Pedro!

Movimento Não Apaguem a Memória

A Direção

Maria Gabriela Vieira da Silva

Processo Eleitoral, Biénio 2017-2019

O processo eleitoral decorreu conforme Convocatória anterior.

Mário Carvalho, presidente da Assembleia Geral procedeu à abertura da sessão tendo constituído a Mesa conjuntamente com Maria Helena Martins Pato e, em substituição de Irene Pimentel ausente por motivos justificados, com Vasco Brosque Graça.

De acordo com a convocatória da Assembleia e em conformidade com os Estatutos do NAM estava a votação uma única lista a que tinha sido atribuída a letra A e que se fez representar por Maria Gabriela Vieira da Silva.

Procedeu-se à verificação dos votos por correspondência.
Foram analisados treze votos tendo um destes sido anulado por não estar devidamente identificado pelo que foram considerados válidos 12 votos os quais foram introduzidos na urna dentro dos respetivos envelopes brancos fechados.

Até às 19,00h esteve aberta a urna para votação presencial dos associados.

Findo este período foram contados os votos depositados na urna tendo-se apurado os seguintes resultados
Votos válidos por correspondência: 12.
Voto por correspondência anulado: 1
Votos presenciais:18 Total de votos: 30 Votos brancos: 1 Votos nulos: 0
Votos a favor da lista A: 29

Consequentemente passou-se à tomada de posse dos titulares dos Corpos Sociais eleitos.

Lisboa, 20 de maio de 2017

Pela Direção eleita
Maria Gabriela Vieira da Silva

Comunicado ‘Processo Eleitoral, Biénio 2017-2019’ (doc. em formato PDF).

Assembleia Geral Ordinária NAM

CONVOCATÓRIA

Nos termos e para os efeitos do artº 14º dos Estatutos do Movimento Cívico Não Apaguem a Memória (NAM) convoco a Assembleia Geral Ordinária para o dia 1 de Abril de 2017 , pelas 14h 30m, nas instalações do Grémio de Instrução Literária Campo de Ourique – GILCO, Rua da Arrábida, nº 106, em Lisboa, com a seguinte ordem de trabalhos:

1 – informações e assuntos de carácter geral.
2 – apreciação do Relatório e Contas da Direcção assim como do parecer do Conselho Fiscal e respectiva votação.

Não havendo quórum à hora marcada, a Assembleia reunirá meia hora mais tarde com qualquer número de associados.

O Presidente da Mesa da Assembleia-Geral

Mário de Carvalho

Comunicado sobre a privatização da gestão do FORTE DE PENICHE

A recente decisão do Governo de atribuir à gestão de privados alguns edifícios públicos classificados, nomeadamente o do Forte de Peniche, monumento nacional, impõe-nos uma pública tomada de posição.

O Movimento Cívico Não Apaguem a Memória – NAM nasceu em 2005, como reacção da sociedade civil a uma atitude política idêntica, a chocante não preservação da memória histórica no edifício sede da PIDE, em Lisboa.

O NAM, no decurso da sua actividade para defesa e preservação da memória da luta contra a ditadura, nas suas diferentes vertentes, conseguiu levar a cabo, entre outros, um acordo com a Câmara Municipal de Lisboa que permitiu a realização da Exposição “A Voz das Vítimas” na antiga cadeia do Aljube, do mesmo modo que no âmbito das suas diligências foi possível um protocolo entre os Ministérios da Justiça, das Finanças e a Câmara Municipal de Lisboa, que levou á criação do Museu do Aljube – Resistência e Liberdade nas instalações da antiga cadeia do Aljube em Lisboa.

Nestas suas persistentes diligências o NAM encontrou sempre plena receptividade de diversos titulares de órgãos de soberania. Mas a primeira e significativa acção do NAM foi a entrega na AR de uma petição, que reuniu mais de 6.000 assinaturas, exigindo que o Estado assumisse a salvaguarda dos locais ligados à memória da resistência antifascista e a sua divulgação.

Esta petição resultou na Resolução da AR nº 24/2008, aprovada por unanimidade, mas que não tem merecido suficiente atenção por parte dos sucessivos governos. É chegada a altura de lembrarmos ao Governo, aos partidos com assento na AR e à sociedade civil, que esta resolução existe e deve ser cumprida. Continue reading

Eleições no NAM

Aos associados e amigos do NAM

1. No passado dia 22 de Março realizou-se a Assembleia Geral, convocada conforme o previsto nos Estatutos, para aprovação do Relatório de Actividades e Contas (enviado a todos os associados a 7 de Março), bem como para a aprovação do calendário da eleição dos Corpos Sociais para o próximo biénio. Votações com aprovação por unanimidade. (Documentos em arquivo).

2. O processo eleitoral decorrerá de acordo com o seguinte:
– A votação terá lugar no dia 31 de Maio, das 15 às 18 horas, no Grémio de Instrução Literária de Campo de Ourique (GILCO), Rua da Arrábida, nº 106, Lisboa.
– As listas candidatas são entregues até 12 de Maio.
– A 13 de Maio, a direcção divulga as listas e envia o boletim de voto (no site, por mail e no GILCO).

3. Informamos que a Direcção cessante não se recandidata, pelo que aproveitamos para saudar todas as amigas e todos os amigos do NAM, particularmente aquelas e aqueles companheiros que responderam aos nossos convites de colaboração ou participação.

Um abraço fraterno para todos

Pela Direcção
Helena Pato

Lisboa, 29 de Março de 2014

(documentos em formato PDF)
– Convocatório para a Assembleia Geral – Março 2014
– Relatório de Contas NAM 2013
– Relatório de Actividades do NAM no biénio 2012-2014